Destaques no SportbuS

sexta-feira, 9 de outubro de 2015

Entendendo um pouco sobre o nosso sistema – 2° Parte

Continuando nossa matéria sobre o histórico do sistema de transporte de São Luís, o grupo Sportbuss irá falar um pouco sobre o período entre 1996 até a criação do SIT e assim, teremos a 3° parte dessa matéria, no fim de semana. Acompanhe conosco. 

Em 1996, houve a inauguração do primeiro terminal integrado da ilha de São Luís, o Terminal de Integração da Praia Grande, inicialmente com 18 linhas do transporte coletivo integradas, onde a tarifa para os usuários era de R$ 0,65. As linhas a serem integradas foram definidas, segundo Moacir Andrade (secretário municipal de transportes urbanos), de forma a atender o maior número de usuários possíveis. Nele foram integradas as linhas: 013 Santa Clara; 017 São Raimundo/Cohab; 306 Vila Embratel; 308 Vila Nova; 403 Calhau/Barramar; 404 Circular Anel Viário 1; 504 Pão de Açúcar; 508 Bequimão São Francisco; 601 Coroadinho Beira Mar; 605 Santa Cruz; 609 Parque Timbiras; 701 Olho D’Água; 704 Vicente Fialho; 705 Sol e Mar; 804 Cohatrac IV; 901 São Cristóvão/Aeroporto; 908 Uema/Franceses e 917 Jardim São Cristóvão/Ipase. Foram 8 linhas de nível 4 (tarifa R$ 0,65), 5 de nível 3 (tarifa R$ 0,60) e 5 de nível 2 (R$ 0,50). Hoje o terminal possui 74 linhas integradas. 





No final da década de 90 e início dos anos 2000, foram entrando e saindo empresas em nosso sistema de transporte, onde listaremos abaixo. 

Empresas a serem extintas: 
12 – Transporte Útil / Empresa São Luís 
18 – Viação Julle 
22 – Auto Viação Dois Irmãos 
24 – Empresa Santo Antônio 
44 – D. A. Transportes – Dois Amigos Transportes 
46 – Transmil 
56 – G.G. Expresso 
59 – Expresso Pelé 
62 – Expresso Açailândia 
64 – Expresso 2000 – MIP Transportes 



Novas empresas que entraram no sistema ou ganharam códigos para operações em São Luís: 
22 – Santa Maria 
23 – Empresa Marina 
25 – Viação Pericumã 
43 – Expresso Solemar 
44 – Transmil 
45 – São Marcos

Algumas curiosidades que estão nessa matéria, iremos explicar agora. 

A empresa Transmil possuía dois códigos, pelo fato de operarem em regiões diferentes, a que tinha o código 44 operava na região do Bom Jardim/Boa Vista e a de código 46, na região do São Cristóvão. A empresa Santa Maria, inicialmente começou operando tanto em São Luís como na cidade de Raposa, logo depois, acabou ficando apenas com a concessão das linhas em Raposa onde anos depois mudou o nome da empresa para Viação Litoral. 



Uma pequena observação sobre a Viação Pelé e o porquê de as empresas obterem dois códigos (58 e 59): 

“Quando da sua fundação, a empresa incorporou a linha Divinéia e a frota da empresa de firma individual R. N. Pinto da Silva, que pertencia a Raimunda Nonata Pinto da Silva, então sócia da Viação Pelé Ltda. Em meados da década de 1990 os sócios da Viação Pelé Ltda., desentenderam-se, como mostra o documento transcrito: “Processo n.º 00195026741-5 – Ação de Distrato de Sociedade Comercial c/c. Ação de Obrigação de fazer – REQUERENTE – R. N. Pinto da Silva, representada por sua proprietária Sr.ª Raimunda Nonata Pinto da Silva – ADVOGADO – Dr. José Américo da Silva – REQUERIDO – Alan Jorge Silva Ferro – ADVOGADO – Drs. Clayton Érico/ Bellini Medeiros e Francisco Manoel Martins Carvalho – CONCLUSÃO DA SENTENÇA DE FLS 110 a 112 – Apreciando, portanto, a liminar, defiro-a em favor da acionante R. N. Pinto da Silva ou Raimunda Nonata Pinto da Silva para, sob sua administração e, em nome da Viação Pelé Transporte urbano Ltda, gerenciar os ônibus XM 99,98 RJ e XM 7736 RJ, na mesma linha, prestando contas a este Juízo mensalmente. Expeça-se mandato liminar. Intimem-se, após. São Luís, 31 de julho de 1996. Dr. Abraão Lincoln Sauaia – juiz da 6.ª vara Civil. ” (Diário Oficial – Judiciário, de 07.08.1996). 
Após o despacho do judiciário a SEMTUR começou a tratar a linha Divinéia como se a mesma tivesse duas empresas operando em seu itinerário, a Viação Pelé II, R. N. Pinto da Silva, que operou na linha até 2001 e, a Viação Pelé Ltda., que atua na linha até os dias atuais.” 



Com o projeto de criação do Sistema Integrado de Transportes no início dos anos 2000, o transporte da capital começou a sofrer mudanças, principalmente por conta das extinções de uma série de empresas, onde o grupo 1001, comprou cerca de 3 empresas e incorporou a sua frota tanto os ônibus como as linhas dessas empresas. A empresa Julle fechou suas portas no final de 1998, devido a um escândalo que envolveu o dono da empresa, José Gerardo e assim, praticamente todos os ônibus da empresa passaram para a empresa Brasileiro, onde ficou conhecida como Brasileiro 2, a diferença estava em relação ao nome da empresa no ônibus, onde a que era Brasileiro, possuía o nome na lateral e a que era Brasileiro 2, não possuía o nome na lateral. E as linhas da Julle, algumas passaram para a mais nova empresa criada na época, a Viação Pericumã onde iniciou os serviços no setor semiurbano, não possuindo de início o código 25. 




Nessa época, a cidade de São Luís era conhecida como a cidade do Urbanus, já que era o modelo mais comprado pelas empresas do sistema de transporte, em todo o canto da cidade, havia um modelo Urbanus da fabricante Busscar circulando, em praticamente todos os chassis (Mercedes-Benz, Volkswagen, Ford e Scania) e tamanhos.


Nesse período, a Solemar chegou na cidade com a sua nova pintura, antes de dar início ao Sistema Integrado de Transportes, onde essa pintura diferenciada era somente para o serviço semiurbano que a empresa tinha, uma pintura similar a outra empresa do grupo, que tem operações em outras regiões do Brasil (Transporte Urbano São Miguel), a única diferença era que na pintura, havia um sol. Na época em que foi instaurada a nova pintura, chegaram 30 novos Torinos do modelo 1999, com numerações que iam do 461 até 490 e uma mega curiosidade, esses veículos seriam para operarem no Maiobão, pois na época estava em disputa naquela região, devido a saída da empresa Araçagi, do sistema semiurbano, mas como a empresa não vingou no local, acabou entrando no sistema urbano e operando nas linhas do Cidade Olímpica. 


Um bom resumo que fizemos daquela época e em breve estaremos dando continuidade ao nosso histórico. 

Alguns Dados: Banco de Dados do Transporte Coletivo de Passageiros do Maranhão.

Um comentário:

  1. Peguei muito esse 026 Scania da Araçagi pra ir pra escola, e tbm o 017. Ouvia o barulho desses dois carros a quilômetros de distância. (Exagerei só um pouquinho)

    ResponderExcluir

Top 10 da semana SportbuS Maranhão